Arquivos por Mês

Programa de 16.09.2011 – 1º Bloco

Educação e Cidadania News de 16.09.2011 – 1º Bloco.

var addthis_config = {“data_track_clickback”:true,”data_track_addressbar”:false,”data_track_textcopy”:false,”ui_atversion”:”300″}; var addthis_product = ‘wpp-3.5.9′;

Pantomima

por Luíz Antonio Cajazeira Ramos

Os melhores cordeiros da fazenda seguirão para o abate na cidade. Os carneiros mais fracos do rebanho serão sumariamente degolados.

O bode velho vai pro sacrifício, por mais que seu olhar peça clemência. Nem mesmo as cabritinhas inocentes terão misericórdia ou esperança.

As carnes assarão ao sol: fogueira. As [...]

O poeta alagoano e o cd dos 40 anos

José Inácio Vieira de Melo, poeta alagoano radicado na Bahia, comemora seus 40 anos com o lançamento do cd poemas A casa dos meus quarenta anos , na livraria LDM Multicampi, em Salvador, dia 13 de setembro. José Inácio é jornalista, co-editor da revista de arte, crítica e literatura Iararana e colunista da revista [...]

Meu cachorro Atahualpa

Para Bartolomeu Moreira Monteiro

Penso que, no mundo dos cachorros, Atahualpa às vezes aparece como um cachorro exibido, como algumas crianças que viajam para a Disney e depois ficam se pavoneando na escola, cheias de importância, diante de amiguinhos que talvez só foram ao Beto Carrero ou talvez nem lá foram.

É que o [...]

Lá se vai o poeta do mar – Boa viagem Caymmi!

Um poema e uma linda canção – O Bem do Mar

Um pescador tem dois amor Um bem na terra, um bem no mar

O bem de terra é aquela que fica Na beira da praia quando a gente sai

O bem de terra é aquela que chora Mas faz que não chora quando [...]

A Ave da Vida

de Maria Odete Olsen

dentro de mim mora uma ave cujo vôo de liberdade tolhi por um sentimento qualquer por vaidade para ter uma ave dentro de mim

longos anos se passaram e esta ave dentro de mim sobrevive em simbiose com o meu sangue a minha essência calada prisioneira sem vôos nem cantos [...]

Melancolia

de Maria Odete Olsen

“Acredito que a mulher não se ressinta tanto por se dar em pequenas doses, mas por se dar em vão.”Anne Morrow Lindemberg

será esse vazio essa ausência que me levam de mim e tanto me sobrecarregam e me igualam a um molotov de emoções que sem eco em mim ricocheteiam [...]

A mulher invisível

Em memória à Gertrudes Koprowsk*

Às vezes seus olhos buscavam algo na linha do horizonte, muito além das montanhas de onde escorria a água límpida, cristalina, em fios que deslisavam por entre as raízes disformes e firmes formando pocinhas, riachinhos, pequenas cascatas. No entanto não era de fitar o horizonte acima delas, das montanhas. [...]

Por este cotidiano, vale a lembrança de Augusto dos Anjos em Versos Íntimos

Vês! Ninguém assistiu ao formidável Enterro de tua última quimera. Somente a Ingratidão – esta pantera – Foi tua companheira inseparável!

Acostuma-te à lama que te espera! O Homem, que, nesta terra miserável, Mora entre feras, sente inevitável Necessidade de também ser fera.

Toma um fósforo. Acende teu cigarro! O beijo amigo é a véspera [...]

Solitudes

de Maria Odete Olsen

hoje fechei as cortinas tranquei as portas apaguei a luz necessitava de sombras vidros embaçados espaços em penumbra e folhas em branco fosse a vida atemporal e não se identificasse o dia e a noite que o corpo tivesse como referencial apenas suas marcas e imperfeições e as lágrimas ah as [...]

Fragmentos do Poema Sujo

de Ferreira Gullar à Floripa em seus 282 anos de fundação

Ah, minha cidade verde constantemente batida de muitos ventos rumorejando teus dias por cima dos mirantes minha cidade sonora desabam as águas servidas me arrastam por teus esgotos de paletó e gravata… Desce profundo o relâmpago de tuas águas em meu corpo, desce [...]

Uma Arte

Elizabetb Bishop (in O Iceberg Imaginário e outros poemas tradução Paulo Henrique Britto)

A arte de perder não é nenhum mistério; tantas coisas contêm em si o acidente de perdê-las, que perder não é nada sério.

Perca um pouquinho a cada dia. Aceite, austero, a chave perdida, a hora gasta bestamente. A arte de perder [...]