O fracasso escolar. Isso o preocupa?

“Ivana, sabe o que meu pai disse? Que se eu passar de ano eu posso sair da escola e ir trabalhar!”

Essa frase foi uma das primeiras coisas ditas por Josevaldo ao ser perguntado sobre o que pensava a respeito da escola. Nada mais verdadeiro para esse menino de doze anos que desde os sete está desejando se alfabetizar e lutando por isso. Sua história escolar, assim como a de milhares de crianças de sua idade, é marcada por inúmeros episódios que, pouco a pouco, vão desmontando a crença em sua própria capacidade, destruindo sua auto-estima e fazendo com que todos os que o rodeiam acreditem “que sua cabeça não dá para o estudo”.

Esta afirmação de Josevaldo permitiu-nos conhecer um pouco mais o lado trágico vivido no dia-a-dia das relações escolares de nossas crianças, principalmente as mais pobres, as negras, as que moram em casebres, as filhas de pais desempregados e sub-empregados. Ao contrário do que se imagina, Josevaldo considera seu maior prêmio sair dessa escola, alcançar o mundo, ir para a vida, como se esta não pudesse estar presente na escola. Para aquele que “foi convencido” pelo sistema escolar de que é incapaz e perdeu o interesse pela escola depois de sucessivas reprovações, a exclusão acaba sendo vista como o maior “prêmio”.

Os 2 parágrafos acima encontrei numa rápida pesquisa que fiz na internet sobre o fracasso escolar de um trabalho das pesquisadoras Ivana Serpentino Castro Feijó e Marilene Proença Rebello de Souza, a partir de conversas que tenho tido com pais que se queixam de que a escola não é mais a mesma, os professores não são mais os mesmos, que os alunos passam de ano sem saber ler, escrever, somar ou calcular.
Eu acrescentaria: sem raciocinar também. Se examinar com o mínimo de profundidade, apenas através da comunicação do dia a dia, perceberá que a maioria da garotada de 12 a 18 anos fala por monossílabos, nunca leu nada e não fazem projeção alguma do que sonham ou pensam sobre o presente e o futuro.
A quem culpar, a quem atribuir responsabilidades?

Um pai me contou perplexo que o filho tirou 1 (um) na média de física, não recebeu nenhuma anotação do professor ou da escola e não tem dúvida que o filho passará de ano.

Essa é a situação. As pesquisadoras dão uma luz sobre essa realidade e sobre a “caixa preta” escolar. Só prá você ter uma idéia, lembra dos alunos “fortes”, “médios” e “fracos”…parece que internamente nas escolas, a graduação dos professores segue o mesmo padrão.

Comments are closed.