Direitos Humanos em debate

img_news_prisaoTudo começou com a história da professora baiana que dançou o pagode Todo Enfiado da banda O Troco e perde o emprego (é demitida) depois de aparecer em vídeos postados no site “You Tube”.
Invasão de intimidade ou de privacidade? Existe diferença entre uma e outra? Seria esta uma situação que poderia ser discutida sob a ótica dos Direitos Humanos?

Não tive dúvidas, liguei para a professora de Direitos Humanos da Univille e Cesusc, Fernanda Lapa que me informa da existência do grupo de estudos das quartas-feiras no IDDH – Instituto de Desenvolvimento e Direitos Humanos de Joinville, por ela coordenado. E lá vomos nós, eu e o cinegrafista Maurício Fabrin rumo a Joinville.
Isso tudo pensado e feito num bate-volta, na última quarta-feira (02/09/09).

Tirando o engarrafamento da BR-101 entre Itajaí e Navegantes, onde ficamos parados aproximadamente por quase 1 hora, em função dos reparos no asfalto que estão sendo realizadas (alô DENIT…isso não deveria ser feito à noite, horário de menor movimento dos veículos e caminhões que praticamente criam um paredão na BR…?), às 18 horas chegamos a maior cidade do norte de Santa Catarina, rumo a sede do IDDH.

E assim conheço os estudantes de Direito Humanos Marcela Almeida, Daniela Berndt, Thalyta dos Santos, Juliana Gaspar, Camila Koch, Albano Fschmidt, Marina Fuxreiter e Emanuel Macedo. Todos muito compenetrados, simpáticos e preocupados com a gravação para o programa.
– É para a televisão, vai dizendo Juliana, que até o início do debate já havia soltado os cabelos. Bem, não preciso dizer que alteramos a “geografia” do IDDH para acomodarmos todas as cadeiras em volta da pequena mesa oval de reuniões do instituto, numa sala do nono andar do Terraço Center, em frente ao Shopping Cidades das Flores.

Ao longo do debate que no total durou 18 minutos de gravação e que foram editados para um primeiro bloco de 5:55″ falando de direitos humanos e do sistema penitenciário, eleito pelo grupo como a principal violação desses direitos no Brasil da atualidade. Camila inclusive traçou um paralelo entre o que ocorreu nos guetos do holocausto judeu com o que se passa em nossas penitenciárias e que poderia ser mais divulgado segundo ela. Mas como acrescenta Marina, não é divulgado porque no entendimento social de hoje, as minorias brasileiras são estigmatizadas e consideradas com “não merecedoras” de tratamento digno.

Mais perguntas, porque os direitos humanos são tão estigmatizados, porque incomodam tanto?

O segundo bloco do debate ficou em 4:16″ e inicia com a matéria da Band que fala da professora baiana que se expõe num baile da pagode. A educadora sobe ao palco numa apresentação da banda O Troco e dança o Todo Enfiado. O oportunista vocalista se aproveita da “transe” da moça alcoolizada e praticamente tira a calcinha dela durante o rebolado e óbvio celulares registraram todas as possíveis sequências e poses que foram acabar no YouTube, a moça é demitida e vira chacota nas ruas de Salvador. Onde entram os direitos humanos nessa história? Direitos humanos, outra vez?

Para a coordenadora do IDDH Fernanda Lapa, esse é um clássico exemplo de direitos humanos. O estudante Albano F. Schmidt, vai mais longe ao afirmar que ninguém pode ferir a dignidade da moça, mesmo que ela não tenha sido muito digna consigo mesma.

Para completar, o programa traz uma entrevista com o new vereador do PPS da Câmara de Vereadores de Florianópolis, Tiago Silva, homossexual assumido e idealizador da Parada da Diversidade (conhecida e comentada como a parada gay) já em sua quarta edição. Super articulado e sério nos seus 25 anos, depois de ouvir o debate dos direitos humanos, Tiago disse que a homofobia existe também em Floripa e que as igrejas são responsáveis pela dificuldade que a sociedade tem para aceitar os integrantes das comunidades GLS. O tema desse ano Eu Aceito, Eu respeito é um recado direto as famílias e as escolas que poderiam aceitar com mais naturalidade as crianças que demonstram comportamento diferente e assim impedir que elas ficassem “marcadas” desde tão cedo em suas vidas.

Não perca portanto o Educação e Cidadania desse sábado às 18:55h, depois do programa do Raul Gil na Band.

Postado por Maria Odete às 23h10.

2 comments to Direitos Humanos em debate

  1. Vitoria
    setembro 24th, 2009 at 09:14

    Poxa adorei, isso eu vou poder usar no jurisimulado de português que fala sobre a ‘invasão de privacidade’.

  2. Maria Odete
    setembro 29th, 2009 at 07:57

    O seu comentário Vitória é a nossa maior compensação. Sorte e sucesso no seu juri simulado. abração