Quanto custa uma prova de vestibular?

Na imagem acima, várias maneiras de se burlar uma prova...

Na imagem acima, várias maneiras de se burlar uma prova...

Se você pensa que corrupção é coisa de político velho, criado na antiga ditadura, nos antigos porões do Doi-Codi, ou nos domínios do coronelismo brasileiro, símbolos de autoritarismo e impunidades, reveja seus conceitos. Óbvio que todos eles ainda existem e fazem parte do cenário nacional e cujo ônus, por muito tempo ainda pagaremos.

Mas existe uma nova geração, alheia a essa história de sofrimentos, mas consciente da importância de um diploma universitário, filhos da ganância e do poder, talvez, que não medem esforços nem recursos para ingressarem num campus, sem mérito algum. Em reportagem de Tarso Araújo, na Folha Teen de hoje (19/10), num interessante roteiro quase cinematográfico, temos a idéia de como essa galerinha do mal, aquela que aprendeu ou está aprendendo a levar vantagem em tudo, joga milhões para…fraudar vestibulares, por exemplo.

O que ocorreu com o Enem, aliás com surpreendente reação do Mec e do ministro Haddad, é praticamente nada (apesar dos 30 milhões de prejuízos), frente ao nosso desconhecimento e, ao que esse pessoal está disposto a fazer e a pagar.

A certa altura diz a reportagem, “Existem até quadrilhas especializadas no assunto. E candidatos dispostos a pagar por seus serviços, que incluem colas eletrônicas e falsificação de documentos. Dependendo da região, da faculdade e do curso desejado, eles desembolsam até R$ 30 mil pela “forcinha”.

“Se aumenta muito o prêmio, o lucro também sobe. E o pessoal se arrisca mais”, diz Renato Pedrosa, coordenador da Comissão Permanente de Vestibulares da Unicamp.”

Espírito de equipe, alta tecnologia, laranjas, falsos cotistas, são apenas alguns dos métodos que as quadrilhas estão utilizando para fazer estudantes entrarem nas universidades sem estudar.
E agora, de quem é a culpa…do bispo?

Postado por Maria Odete Olsen às 21:35h.

Comments are closed.